O melhor das férias: Spohr e Pellanda

Nessas duas últimas semanas, tive minhas férias do meio do ano. Apenas duas semanas, mas que fazem uma deliciosa diferença. Acreditem, um intervalo necessário entre dois semestres para quem trabalha na Educação. A primeira semana foi um marasmo, no qual aproveitei para estudar para concurso. Porém, a segunda semana, a qual passei na cidade da minha irmã – Jardinópolis – tive que recorrer aos meus tão amados livros, afinal, o que fazer em uma cidade pequena cujas atrações são parcas? (sem desmerecer a cidade, é claro!)

No entanto, minha leitura é rápida, o que me rendeu, em apenas três dias, finalizar a leitura de Filhos do Éden – Herdeiros de Atlântida, de Eduardo Spohr, e apreciar a surpreendente história de Roberto Campos Pellanda, Noite sem Fim, o primeiro livro da série O Além-Mar.

Portanto, eis um comentário sobre ambos.

 

Sobre Herdeiros de Atlântida, eu consegui via celular escrever um pequeno comentário em minha conta no Skoob, o que pode ser mais considerado como um desabafo. Mas finalmente em casa, posso fazer um comentário mais sensato e melhor. 

Honestamente, eu estava com saudades da narrativa do Spohr. No primeiro livro dele, A Batalha do Apocalipse (resenha aqui), sua narrativa me lembrou muito a de Colleen McCullough, em A sorte de Morgan. Histórias completamente diferentes (a de McCullough é a narração de reviravoltas na vida de um homem comum que, devido a artimanhas de pessoas poderosas, acabou sendo condenado e mandado a um novo país, onde pagaria por sua pena – porém, acabou optando por viver neste mesmo país, esquecendo-se de tudo [ou do pouco] que deixou para trás), porém possuidoras de detalhes que são essenciais para formar uma história e, mais importante, um personagem. Contudo me surpreendi em Herdeiros de Atlântida. 

Neste primeiro volume da série Filhos do Éden, Eduardo Spohr mostra uma narrativa mais dinâmica. Os personagens vão para o tudo-ou-nada desde o início, tem uma missão específica e fazem de tudo para cumpri-la. Há romance, aventura, suspense, comicidade e tensão numa miscelânea deliciosa. Tudo o que é ideal em um livro. Que dirá em um livro sobre anjos, que sempre pensamos religiosamente como assexuados e luminosamente perfeitos?!

Iniciamos com Kaira, Denyel, Urakin e Levih, que têm uma missão ainda desconhecida. O que já deixa o livro dinâmico logo no início é justamente o fato de não saberem qual é a missão, pois Kaira, vítima de um inimigo, acabou perdendo a memória. Esse fato, no entanto, é apenas uma peça do quebra-cabeça e dos problemas. O que se pode chamar de prenúncio de confusão natural é o fato desses quatro anjos serem de castas diferentes. No decorrer da história, entendemos como funcionam as castas dos anjos e como isso interfere tanto na missão quanto nas escolhas de cada anjo. E como isso, obviamente, interfere na história. Afinal, imagine como é a personalidade de um querubim exilado que é chegado em sarcasmo e ironias? E o que acontece quando esse mesmo querubim encontra outro de sua casta, mas que, ao contrário, não se deu ao “luxo” de se exilar?

Paralela a esses quatro anjos, temos também a história do Primeiro Anjo, um anjo sentinela que não aceitou as decisões do Arcanjo Miguel sobre destruir a Humanidade (decisões, estas, muito bem explicadas em A Batalha do Apocalipse) e que acabou pagando por isso. O livro não conta toda a história do Primeiro Anjo; espero mais dele no volume dois, Anjos da Morte.

Não vou me estender muito neste comentário, digo apenas que Filhos do Éden – Herdeiros de Atlântida é um livro que não se deve dispensar de maneira alguma. A narrativa do Eduardo Spohr é leve, porém consegue ser tensa; de fácil entendimento, mas, mesmo assim, com as complexidades que um livro de aventura consegue dar com maestria; tem todas as explicações que precisamos para entender tudo a olhos vistos, mas sem cansar, sem fazer perder a graça, o suspense. Ela tem um Q que eu apenas classifico como Spohrniana.

Eu digo uma coisa – que apenas quem ler o livro entenderá: minha fala preferida nesse volume é a que consta bem ao fim, na página 418, dita por Denyel (que me fez gritar ao ler: É isso aí, Denyel!):

— Você vem comigo, seu merda! 

Sem mais! (risos)


Título: Filhos do Éden – 01 – Herdeiros de Atlântida
Editora: Verus
Acabamento: em brochura
Edição: 1ª, cuja diagramação é excelente
Ano: 2011
Páginas: 473
SitesFacebook e Site Oficial (que contém desde o Primeiro Capítulo a artes incríveis!)

Depois de ficar por alguns minutos com cara de “como assim, já acabou?!” com o fim de Herdeiros de Atlântida, ficar inconformada em ter que esperar por Anjos da Morte para continuar com a história desses anjos, respirei fundo e parti para outra (afinal, é assim que é a vida: curta demais para desperdiçar tempo em não ler).

O livro de Roberto Pellanda, Noite sem Fim, eu peguei sem pretensão alguma, confesso. O livro, sim, me chamou a atenção pela capa e sinopse (que vocês podem conferir neste LINK), afinal, como assim alguns livros são proibidos nessa vila que nunca viu o sol nascer?

O personagem principal, Martin Durão, é encantador. Com seus 14 anos, é um jovenzinho determinado, adorador da leitura por influência de seu melhor amigo Omar e apaixonado pela linda Maya. A Vila, entretanto, tem segredos que esses três não entendem. Segredos perigosos que, se desvendados, podem mudar tudo o que eles conhecem.

O que tornou Martin encantador para mim é justamente sua personalidade. Ele quis seguir os passos do pai, entender por que algumas pessoas somem sem explicação na Vila, por que os Anciãos apenas dizem que tal coisa é certa ou não, por que não pode ultrapassar a fronteira da Vila e, ainda, o que há de tão perigoso no Além-Mar?

Há, sim (e confesso que remeti bem ao início), algumas similaridades com Harry Potter, pois Martin é órfão, vive com um tio mal-amado e um primo mimado, tem dois amigos, o garoto Omar e a menina Maya, e uma cicatriz a princípio sem explicação em seu peito. Mas tudo para por aí!

Contudo, buscar explicações, desvendar segredos, nem sempre é uma coisa boa. E as consequências podem ser desastrosas. E é tudo isso que torna a noite da Vila a noite mais escura de todas.

Depois dessa mostra surpreendente em Noite sem Fim, anseio pelo lançamento de O Primeiro Amanhecer, segundo livro da série O Além-Mar, cujo prólogo pode ser lido ao fim de Noite sem Fim para nos atiçar ainda mais!

Respondo, então, à dedicatória da Roberto C. Pellanda que há em meu livro, e que ele tão carinhosamente a escreveu na I Odisseia de Literatura Fantástica, em Porto Alegre:

 Lívia,
Espero que você encontre muitas alegrias nas ruas da Vila!

Pois eu encontrei, Roberto! Muitas! E anseio pelo segundo volume dessa série deliciosa. 


Título: O Além-Mar – 01 – Noite sem fim
Editora: Tarja Editorial
Acabamento: em brochura
Edição: 1ª, com excelente diagramação
Ano: 2011
Páginas: 300
SitesFacebook Site Oficial e Primeiro Capítulo

Anúncios

5 comentários sobre “O melhor das férias: Spohr e Pellanda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s